Monday, July 31, 2006

Todo mês ela faz tudo sempre igual

Primeira semana

Detesto usar absorvente. Detesto.

Segunda semana

Da próxima vez eu obrigo ele a usar camisinha.

Droga, esqueci a pílula de ontem. Tomo as duas hoje e tudo bem.

Será que eu tomo a pílula do dia seguinte? Ui, quinze reais. Não, não precisa.

Terceira semana


Droga de espinha. Droga de barriga inchada. Droga.

Sexta-feira de TPM

Buááááá, o céu está tão azul...Snif. Tadinhos dos brasileiros morando no Lìbano...

Domingo

Vou levar absorvente na bolsa, vai que eu menstruo no cinema?

Segunda, de manhã

Nada de menstruação...Também, ainda tá cedo, eu acabei de levantar.

Segunda, Dez da manhã

Nada de menstruação. Putz. Eu disse pro bandido usar camisinha. Eu disse. Como é que eu vou contar pra ele?

Segunda, Dez e meia da manhã

Como é que eu vou fazer? Eu não posso cuidar da criança. Eu podia abortar...Não, não, minha religião proíbe. Por que eu joguei no lixo o cartão daquele médico que o meu chefe conhecia? Droga. Mas eu nem tenho cinco mil reais. A minha mãe podia vender umas coisas...Não, depois ela ia ficar jogando na minha cara que a gente podia ter comprado um carro, e...Mas que absurdo! Eu sou contra o aborto. Eu sou contra o aborto. Eu sou contra... Ai, ai, pelo visto não sou tão contra quanto pensava. Mas que coisa indecente, eu tenho emprego, tenho saúde, tenho família. Antigamente é que era bom, colocava na Roda dos Enjeitados, e...É só um atraso, é só um atraso, é só um atraso.

Segunda, meio dia

Ai, meu Deus, faz eu ficar menstruada. Será que eu compro um teste de farmácia? Ui, quinze reais, não precisa.

Segunda, meio dia e dez.

Será que é menino ou menina? E eu sempre gostei de crianças...Ah, vai ver não é tão ruim. Um monte de gente tem filho sem planejar e nem morreu. Tá certo que eu não ia poder fazer o mestrado agora, mas quando ela tivesse cinco anos, talvez...Ou será ele? E quando ele fizer seis anos e entrar na escola? E quando ela ficar menstruada, será que eu vou conseguir explicar? Será que ele vai ficar comigo ou a gente vai se separar? Será que o namoro aguenta essa barra? Que nome será que ele prefere? Ai meu Deus, faz eu ficar menstruada.

Segunda, uma hora.

Será que isso é cólica ou vontade de fazer xixi? (Apertando a barriga) Ai, tem alguém aí ou não?

Segunda, duas e quinze da tarde

Que vontade de fazer xixi. Grávida vive tendo vontade de fazer xixi.

Segunda, duas e dezoito


DESCEU! Ai, que bom, que bom, que bom!

Segunda, quatro e meia da tarde

Odeio usar absorvente. Odeio.

Saturday, July 29, 2006

Bailarina




Baila inconseqüente
Pernas, lábios, dentes
Quero tão somente
O beijo desta flor
Que ri devagarinho
E vai, desfaz o ninho
Da noite longa de amor

E olha docemente
Sorri inteligente
Ao ver o seu senhor
Olhá-la da platéia
Mestre em passarela
Chapéu e dobrador

E dança com os olhos
Feixes de luzes mortos
Que seguem seu amor
Que para envergonhada
Silenciosa, calada
Rubor

E vai-se embora a roupa
Só torna o olhar
Eterno sedutor
No beijos que dura sempre
Flor que baila tão somente
Porque existe o amor..

Tuesday, July 25, 2006

Ex-namorado número 1:

- Ah, cara, isso de orgasmo da mulher ser difícil é recalque, né não?
- !
- É, pô. Por que gozar é uma coisa fácil. Por exemplo, tem mulheres que têm um orgasmo quando, por exemplo, espirram, e elas nem percebem...
- Pirou? Você tá confundindo as coisas. O que eu sei é que o espirro é a reação do corpo mais semelhante ao orgasmo, mas gozar espirrando é outra história.

A pessoa-people prosseguiu com a argumentação(sic):

- É sim, é sim, com o susto do espirro elas gozam.
- Maninho! Quer fazer uma transfusão de grelo e conferir na pele que isso é lorota?! Faça-me o favor!
- Mas eu li...
- Hunf. Vai ver você acha que quando o casal goza junto, nasce um bebê nove meses depois.
- ...
- Meu Deus, acha.


Ex-Namorado número dois:

Estávamos em um lugar cheio de plantas e flores e verde. Lindo, né? Pena que bateu um vento sudoeste que levantou as folhas, espargiu polén (espargiu!) e levantou poeira. E o meu nariz anti-social disparou o alerta vermelho, me informando que havia alguma partícula intrusa dentro das minhas fossas nasais.

Comecei a esfregar o nariz. Nâo deu certo. Funguei algumas vezes. Não deu certo. Começou a nascer do fundo de alguma entranha desconhecida minha um espirro. Mas era um espirro muito tímido, envergonhado demais pra aparecer em público, e o desgraçado se escondia em algum lugar intermediário entre meu nariz, minha garganta e meu ouvido.

Eu tentava desentocar o maldito. Coçava o ouvido, fungava e arranhava a garganta ao mesmo tempo. Nada.

Respirei dentro das mãos em concha, e o turbilhão nasal se acalmou. Depois de cinco minutos de aflição, outra rajada de vento, e, enfim, o tão esperado som:

- AAAAAAAAAAAAAATCHIM!

E o ex-namorado 02 faz a fatídica pergunta:

- Gozou?

**************

Pelo amor de deus, me dêem o endereço da redação dessa revista que eu vou fazer transfusão de grelo no redator, e dar bastante rapé pra ele cheirar. Quero ver se ele geme sem sentir dor.

QUEM INVENTOU QUE MULHER GOZA ESPIRRANDO?

Tuesday, July 18, 2006

Pipoca e guaraná

Domingo à tarde, aquela preguiça. Eles acordaram às onze, levantaram meio dia e meia (alguém ainda chama 12h 30min de Meia-Hora?). Levantaram meio dia e meia, aquele calor mal-educado, o asfalto fervendo. Na geladeira, umas panelas com algo que na outra encarnação poderia ter sido um bife, mas na verdade tinha a maior cara de berinjela passada na areia.

Domingo à tarde, aquela preguiça. Um calor imbecil, tirando qualquer coragem de vestir uma roupa. Tacitamente, um permitiu que o outro ficasse caminhando pela casa de camiseta de candidato e com o cabelo despenteado, desde que pudessem fazer isso em dupla.

Duas da tarde, ela encontrou metade de um queijo, uma maçã, meia garrafa de guaraná. Levou pra rede, os dois deitaram. Aquela preguiça:corta uma fatia de maçã, corta um pedaço de queijo, bebe no gargalo mesmo; tamanho calor tira a vontade de sujar louça, e quem precisa de almoço? De noite, quando tiver mais fresquinho eles saem e comem uma pizza ou um X-salada. Isso se não fizer uma noite quente, daquelas que fazem o lençol grudar no corpo. Nesse caso, o bom é ficar na rede.

O bom sempre é ficar na rede...

- Por que domingo a gente fica em marcha lenta?
- huuuuum, tá muito calor pra pensar nisso, né não?
- E se a gente visse um filme?
- Qual?
- Qualquer um. De preferência com cenas na neve...
- "Vivos".
- Canibalismo? Não dá idéia.
- "Avalanche".
- Gente gritando e morrendo?
- Aquele do cachorrinho... Canino Branco, ou o Chamado da Floresta, não lembro.
- Amizade entre bicho e gente dá um sono...
- "Dr Jivago". Que tal? Seis horas de neve, guerra e dramas pessoais.
- Hum...A quantidade de neve compensa?
- O filme é quase monocromático.
- Vou ter de sair no sol pra alugar?
- Não, a gente comprou no Natal.
- Fechado. Eu vou fazer pipoca.

Ele, quase em Slow motion, colocou uma colher de margarina na panela, jogou o milho lá dentro, e ficou lembrando do versinho que a mãe cantava. "Rebenta pipoca, maria Sororoca..." Riu pensando que sororoca parecia siririca na pororoca. Eita calor.

Ela encostou na pilastra da cozinha. Barulho de fritura.

- Tá me olhando por quê? Nunca me viu, cara de pavio?
- Sempre te vejo, cara de percevejo...

Barulho de fritura.

- Vai ficar olhando mesmo? Tá me incomodando. Parece que... - Verificou com o canto dos olhos. Sim, ela continuava olhando.-Ihhhhh, começou.

Ela o encarou fixamente. Começou a estalar os dedos e fazer uma coreografia boba.

- "Pipoca na panela, começa a rebentar..."

Ele riu e girou a panela.Ela continuou:

- "Só eu e você, e sempre no ar..."
- É "sem piruá", boba.
- É? Passei a infância toda enganada... Mas vou continuar cantando "sempre no ar".
- Por quê?

Era por teimosia, mas ela nunca ia dar o braço a torcer.

- Porque...ah, porque tem mais a ver. "Eu e você", "sempre no ar". - E repetiu: - "Só eu e você, e sempre no ar..." - Olhou pra ele. Continou com a coreografia e piscou um olho.- "Que tal?"

Ele sorriu e respondeu:

-"Quero ver pipoca pular!"

Ela fez uma pose de chacrete:

- "Pipoca com guaranáááá..."
- Excelente a segunda voz...
- "Soy loca por pipoca e guaraná!"

Eita, calor.

Sunday, July 16, 2006

Duas Flores




Sim...

Eu as beijo de olhos fechados
E sonho com elas nas noites frias
Desse julho anil ensolarado

Sim,
Eu as amo de olhos fechados
Bocas, vaginas, peitos e lábios
Luas, sombras e quartos escuros

Sim,
Eu as quero de olhos fechados
Cheiros, orquídeas, azaléias e o Cravo
Viola e banjo no fim do mundo

Sim,
Eu as desejo de olhos fechados
Com força, com fome, com dor
E punjança
Na roda a roda, flor nas andanças

Beijo que fica, beijo que doura
Avassalador...

Monday, July 03, 2006

- Ei?
-nham?
- Querida, tu vai dormir mesmo?
- É um direito que eu tenho...
- Mas vai dormir quando EU estou aqui, ao seu lado?
- Tá, eu sei que você é um garanhão irresistível, mas eu tô com sono. Você quer que eu durma e te deixe chamegando sozinho?
- ...
- Que foi?
- Você sente sono ao meu lado.
- Mas pelo amor da Deusa...já ouviu falar em necessidade biológica premente?
- ...
- Ai, tá, péssimo exemplo. Vou tentar outra abordagem: eu suplico que você me deixe dormir.
- Não.
- Por favor...
- Nâo.
- Por favor...
- Não.... [nhac]
- AI, AI, mordida no pescoço não vale!
- Passou o sono?
- Não, e eu estou começando a ficar com raiva de você, e aí não vai dar certo.
- Mas eu não tô com um pingo de sono...
- ô, não faz essa cara. Vamos fazer assim: programa o despertador pra daqui a quarenta minutos. Aí, eu acordo e nós damos vazão às suas necessidades biológicas prementes.
- HUm, quarenta minutos. Tá.

****

Quarenta minutos depois, o som de POur elise invade o quarto. Ela acorda.

- O despertador...nham...

Ela levanta, vai ao banheiro, escova os dentes, passa perfume.

- Pronto, garanhão...ei?ei? Acorda...
- grofgrunfgrafgroar
- Não era você que tava sem um pingo de sono?
- Descobri que tava...dormi que nem uma pedrazzzzzzzzzzzzzzzzzzzz....
- Ah, agora você me deixou com vontade! [nhac]
- Sai, pô, não morde minha barriga não...OPa, pera aí, continua fazendo isso que você´tá fazendozzzzzzzzzzz...
- Não dorme, rapaz!
- Tá, vem cá e me dá um beijo...
- Levanta...
- PORQUÊ?
- Levanta e vai escovar os dentes.
- ?
- !
- ...
- Anda, vai.

Enquanto ele está no banheiro, reafirmando para si mesmo que mulher é a coisa mais inexplicável do universo, ela relembra da cama:

- Escova a língua também!